GOODALL – MYTHIC ART

Goodall, artista britânico, estava na vanguarda da reinvenção e rejuvenescimento da ilustração no final dos anos noventa e ajudou a pavimentar o caminho para o ressurgimento enorme do meio que temos assistido nos últimos dez anos.  Sua obra emblemática para a revista The Face influenciou tantos criadores de imagem,  que quase se tornou uma escola de ilustração em si. Ele desenvolve seu trabalho sobre materiais que hoje não são tão comuns, o que fornece esse aspecto inusitado nas suas ilustrações e colagens sobre imagem. Além da The Face, que disseminou bastante seu trabalho, ele também já deixou seus traços em revistas como a Big, Eye, Scene, Arena, Dazed and Confused entre outras. Engrenei uma série de posts que pretendo fazer jorrando informações, sobre arte e cultura, com o trabalho dele, que é uma fonte impressionante de inspiração para quem se interessa  por arte e filosofia oriental.

O designer gráfico britânico fez um trabalho magnífico para o Muse baseado nas estrelas, no espaço e na mitologia grega. Nesta imagem de Dione, por exemplo,  ele mistura dois conceitos sobre a deusa das ninfas. Primeiro ele a mostra como figura feminina,  símbolo de fertilidade, considerada pelos gregos antigos como o equivalente de Gaia – a Mãe Terra, depois a representa como uma das luas de Saturno, já que uma das maiores luas de Saturno recebeu o nome da deusa.

Dione’s Rapture

Essa imagem que segue abaixo nomeada “O nascimento de Érebo” já não remete à nenhum planeta. O nome Érebo é na verdade de um vulcão na Antártica, no entanto possui um significado mítico incrível. Filho do Deus Caos, Érebo respresenta a personificação da escuridão e da sombra, o criador das Trevas. Tinha seus domínios demarcados por seus mantos escuros e sem vida, predominando sobre as regiões do espaço conhecidas como “Vácuo” .

The Birth of Erebus

Fumaças coloridas e fantasias cósmicas

Knights of Cydonia


Capa do DVD Invencible

Capa do CD ‘Invencible’

Helm

Pheobe

Rapier Flat

Migrando para uma outra série recente feita por ele,  intituladaPoster Girl nos deparamos com uma mistura de fotografia com ilustrações fantásticas  em cartazes sustentados por corpos audaciosos de modelos.

Nesta imagem a Medusa, figura mitológica grega, é representada como um símbolo do fascínio que a mulher perigosa instiga, por meio do seu olhar fatal e seus cabelos misteriosos. Tinha o poder de petrificar quem olhasse diretamente em seus olhos, o que é remetido na foto pelo olhar enigmático e sedutor. Temida pelos homens, também é vista como símbolo divino de femilidade, por isso o fetiche agressivo de fêmea dominante que se tornou deusa, rompendo a ideia da mulher inocente e submissa. Nas sociedades antigas utilizavam a cabeça da Medusa em cerimônias sagradas, de modo que acreditavam que ela manteria as mulheres a uma distância segura dos homens. No entanto, Goodall faz uma alusão a esse ritual enfatizando a mulher como manipuladora do imaginário masculino.

Seguindo ainda a linha de trabalhos com inspiração mítica, Goodall também cria ilustrações baseadas na arte e na filosofia oriental. As imagens ficam com efeitos alucinantes e com uma simbologia agregada muito forte. Essa série inspirada nas Dakinis mostra bem isso.

Angel of Death

São figuras marcantes no Budismo do Himalaia. Um ser em forma feminina,  geralmente,  de temperamento colérico,  que atua como uma musa para a prática espiritual e mudanças. Normalmente as representações mostram a Dakini como uma figura jovem, nua, o que não se entende como uma imagem sexual – a nudez se refere à natureza, nu da realidade.

Desert Mirror

As dakinis estão associadas à vacuidade, assim sendo elas despertam inúmeras sensações nas atividades iluminadas, pondendo ser pacificadora, magnetizadora,  enriquecedora e destruidora.  Dessa forma, as dakinis unem a vacuidade com a sabedoria. Ao contrário de que muitos pensam, uma dakini não possui seu significado maior associado as atrações físicas da mulher, de modo que ele vai muito além disso.  Elas se movem livremente num espaço situado além de pensamentos e fabricações, este sendo o estado de consciência que está sob controle, estável e livre.

Love versus Lust

Nessa imagem Godall representa a luta humana entre o amor altruísta, a compaixão e a pureza contra nossos desejos a base de luxúria, paixão e ambição. Nela, para delinear bem esse combate que todo ser humano tem em dentro de si, ele usa a serpente de um lado, representando a tentação, segundo a iconografia cristã e de outro lado ele contrapõe com a figura de dois pavões juntos simbolizando o amor puro e incondicional. Os desejos habituais de cobiça e luxúria, em última instância, causam a dor que é representada por suas lágrimas.

Wisdom and learning

Em ‘Sabedoria e aprendizado’ ele usa alguns elementos que representam a sabedoria na iconografia budista tradicional. Como, por exemplo, o livro sagrado, pelo seu óbvio significado de emitir aprendizagem e o sino que libera o som dito para proclamar o vazio da sabedoria que provém da verdadeira natureza da realidade.

Wrath

Por fim, o Wrath no budismo não tem a ver com raiva, mas com o sentimento de ignorância e negatividade que guardamos em certos momentos dentro de nós, como se fosse uma espécie de rancor. Assim sendo, quando uma pessoa encarcera esse tipo de sentimento negativo, ignorante em si, você poderia cortar sua cabeça. A Dakini mostra bem isso com um esqueleto em chamas e uma espada na mão, ou seja, é a atuação da sabedoria na destruição da ignorância. Ela também possui duas cabeças em volta da sua, que assopram fogo para queimar todo o ódio e os sentimentos de negatividade.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s